Habitação

Habitação Pina

O cheio-vazio que se exibe no seu volume, procura o controlo da luz e da sombra que se fazem sentir.

A habitação integra-se num terreno que se encontrava liberto para construção e que procura acompanhar a sua morfologia. A sua arquitetura contemporânea resulta de uma linguagem que é contígua à do contexto mais próximo, cumprindo os alinhamentos e afastamentos regulamentares. Este equilíbrio permite a existência de um jardim privado e do aproveitamento da radiação solar, tendo em conta a sua orientação a Sul e a Nascente.

Os alçados proporcionam uma leitura de planos contínuos, face à sua cobertura oculta e à sua volumetria que é próxima de um “I” em planta. No piso térreo é onde se situa toda a vivência da casa, sendo que a zona de acesso ao seu interior e de circulação se encontram numa zona mais central, dividindo a zona noturna mais privada, orientada a Nascente e a Norte, da zona diurna dos espaços coletivos dispostos a Sul, que beneficiam de um deck no seu varandim protegido por uma pala. O cheio-vazio que se exibe no seu volume, procura o controlo da luz e da sombra que se fazem sentir durante todo o dia. No piso inferior situa-se a garagem, disposta a Norte, que também permite o acesso à habitação através da escada.

A estrutura em betão que suporta a casa, faz o seu revestimento exterior através de um sistema “capoto” e alberga um pavimento nos alpendres e varandins em madeira “deck”. No seu interior as paredes terão um acabamento em gesso cartonado com pintura a tinta e uma pavimentação em madeira “flutuante”, sendo que as instalações sanitárias serão em pedra no revestimento das suas paredes e no seu pavimento.